Terra vista da Lua

O Orbitador de Reconhecimento Lunar (LRO – Lunar Reconnaissance Orbiter) capturou recentemente uma vista única da Terra a partir de ponto favorável em que estava o veículo espacial na órbita da lua.

“A imagem é simplesmente deslumbrante”, disse Noah Petro, Cientista Adjunto do Projeto LRO do Centro Goddard de Voo Espacial da NASA, em Greenbelt, Maryland, EUA. A imagem da Terra faz lembrar a famosa imagem “Mármore Azul” capturada pelo astronauta Harrison Schmitt na Apollo 17, há 43 anos, que também mostra a África de maneira proeminente.

Nesta imagem composta vemos a Terra surgir sobre o horizonte lunar do ponto de vista do veículo espacial, com o centro da Terra próximo da costa da Libéria (a 4.04º Norte, 12.44º Oeste). A grande área marrom-claro na parte superior central é o Deserto do Saara, e pouco acima a Arábia Saudita. As costas Atlântica e do Pacífico da América do Sul podem ser vistas à esquerda. Na lua, temos um vislumbre da cratera Compton, localizada pouco além da parte oriental da lua, do outro lado lunar.

O LRO foi lançado em 18 de junho de 2009 e coletou um tesouro em dados com seus sete poderosos instrumentos, uma contribuição de incalculável valor para nosso conhecimento a respeito da lua. O LRO passa por 12 nasceres-da-terra por dia; entretanto, o veículo espacial está na maior parte do tempo coletando imagens da superfície lunar, de modo que apenas raramente surge uma oportunidade em que sua câmera pode capturar uma visão da Terra. Ocasionalmente, o LRO é direcionado para o espaço para captar informações sobre a extremamente fina atmosfera lunar e fazer calibração de instrumentos. Ao longo desses movimentos, às vezes a Terra (e outros planetas)  passam pelo campo de visão da câmera e imagens dramáticas tais como a exibida aqui são capturadas.

Essa imagem foi composta com base numa série de imagens capturadas em 12 de outubro [2015], quando o LRO estava a cerca de 134 quilômetros acima da cratera Compton, do outro lado da lua. Capturar uma imagem da Terra e da lua com a Câmera do Reconhecedor Lunar Orbital (LROC) é uma tarefa complicada. Primeiro, o veículo espacial deve estar posicionado para o lado (neste caso, 67º); daí, o veículo tem de virar, com o direcionador de viagem, para maximizar a largura da imagem do horizonte lunar na Câmera de Ângulo Estreito da LROC. Isso tudo tem de ser feito enquanto o LRO se desloca a mais de 5760 km/h (mais de 1.600 metros por segundo) em relação à superfície lunar abaixo do veículo espacial!

A Câmera de Ângulo Estreito (NAC – Narrow Angle Camera) de alta resolução do LRO captura imagens em preto-e-branco, ao passo que a Câmera de Ângulo Largo (WAC – Wide Angle Camera) captura imagens coloridas, de modo que talvez se pergunte como conseguimos imagens de alta resolução da Terra, em cores. Visto que do ponto de vista do veículo espacial tanto a Terra quanto a lua estão em movimento, tivemos de aplicar processamento especial para criar uma imagem que representasse a vista da Terra e da lua ao mesmo tempo. A imagem final da Terra contém tanto dados da WAC quanto da NAC. A WAC acrescenta a cor, e a NAC acrescenta detalhes em alta resolução.

“Da Terra, o nascer e o por diário da lua são sempre momentos inspiradores”, disse Mark Robinson, da Universidade do Estado do Arizona, em Tempe, principal pesquisador pela LROC. “Porém, astronautas lunares verão algo bem diferente: vista da superfície lunar, a Terra nunca nasce e nunca se põe. Visto que a lua está gravitalmente travada, a Terra está sempre no mesmo ponto do horizonte, variando pouco com a ligeira oscilação da lua. A Terra pode não cruzar o ‘céu’, mas a visão não é estática. Astronautas futuros verão os continentes rodar para dentro e para fora da vista, e uma constante mudança no padrão das nuvens sempre será percebida pelos olhos, pelo menos no lado de cá da lua. A Terra nunca é visível do outro lado da lua; imagine um céu sem Terra e sem lua – o que pensarão os exploradores do outro lado sem a Terra sobre suas cabeças?”

A primeira imagem do nascer-da-terra foi capturada com o veículo espacial Orbital Lunar, em 1966. É possível que a mais icônica foto do nascer-da-terra da NASA tenha sido capturada pela tripulação da missão Apollo 8 quando a nave espacial entrou na órbita lunar na véspera de Natal, em 24 de dezembro de 1968. Naquela noite os astronautas – o Comandante Frank Borman, o Piloto do Módulo de Comando Jim Lovell, e o Piloto do Módulo Lunar William Anders – fizeram uma trasmissão ao vivo da órbita lunar em que mostraram fotos da Terra e da lua como vistas de sua nave espacial. Jim Lovell disse: “A vasta solidão é atemorizante e faz você compreender o que tem aí na Terra”.

Image Credit: NASA/Goddard/Arizona State University

By Bill Steigerwald
Traduzido de NASA.org por Wisley Vilela

Deixe uma resposta